E a sua libido, como está?

Meses sem sexo, ou melhor, sem vontade alguma de transar. Nada mais te estimula, nem mesmo os sex toys que você comprou não faz muito tempo ou aquela massagem gostosa que você amava dividir com o parceiro. Se você se identifica com qualquer parte deste texto inicial, não se sinta só, tem muitas mulheres se sentindo exatamente como você. 

Sim, a nossa libido tem sofrido bastante nos últimos tempos e você pode até desconfiar qual seja o principal motivo envolvido nisso. Mas, antes, vamos começar com o básico. Você sabe o que é libido? Libido, nada mais é do que o desejo sexual que sentimos e que, por diversos motivos, pode diminuir ou aumentar. 

A pandemia tem mexido e muito com a nossa libido entre mulheres solteiras, casadas, jovens e maduras. Afinal, praticamente todas nós, tivemos nossas vidas completamente transformadas e ainda estamos tentando nos adaptar com toda a tensão, ansiedade, medo e outras emoções ligadas a situação. 

A nossa libido está muito ligada às transformações dos nossos corpos - leia gravidez, menopausa e uso de anticoncepcionais - e, bem influenciada por fatores hormonais do que os homens, além de alterações causadas por medicamentos. E o hormônio da testosterona é o que garante a normalidade do desejo.

E o que faz a testosterona diminuir? A cortisona, que é o hormônio do stress. E o que mais temos sentido nos últimos dias? Talvez os maiores níveis de stress que já vivemos em toda a nossa vida. Com a testosterona lá embaixo, a libido também fica. Mas, nem tudo está perdido, é possível recuperar esse desejo, seja sozinha ou acompanhada.

Fazer atividades físicas ou adotar uma rotina de mobilidade do corpo com alongamento ou yoga ajuda a estimular o corpo. Ainda existem casos da necessidade de reposição hormonal mas, para isso, é necessário recomendação médica.

Uma dica muito importante é manter um canal de diálogo aberto e honesto com seu parceiro ou parceira. Essa conversa não precisa ser uma DR, use a comunicação não violenta para abrir espaço para ambos serem vulneráveis no diálogo. Outra dica é criar momentos para os dois seja apimentando a relação com sex toys, lubrificantes e outras coisitas mais ou mesmo com gestos pequenos e significativos para manter o romantismo no dia a dia. Uma massagem simples ou tomar um vinho no final de um dia rotineiro pode ser mais eficaz do que uma grande noite de sexo.

Só não podemos esquecer que a nossa libido é uma construção que pode ter altos e baixos. Ela não envolve só o ato sexual mas o estímulo de todos os nossos cinco sentidos e a consciência de que uma boa saúde sexual está ligada a viver nossa sexualidade de forma plena. Podemos usar esse momento também para nos conhecermos melhor, entendermos os gatilhos que freiam ou aceleram o nosso prazer e o que significa tudo isso dentro dos relacionamentos que vivemos tendo o mais importante sempre em vista: a nossa auto relação.

Por fim, vale sempre lembrar que se tudo ainda estiver confuso, isso pode ser absolutamente normal. Afinal, estamos vivendo tempos difíceis onde outras questões podem e são prioridades. Com o tempo, paciência e autoconhecimento, as coisas vão voltando ao seu lugar.